Opinião do Apito: Uma Crônica Reflexiva - E se todos os Árbitros resolvessem parar de Apitar?


            Já pensou se todos os árbitros resolvessem de na atuar mais? Como seria o futebol? Como seria o Esporte? Você já parou e pensou nisso?
            Vamos lá então. Imaginem:
            Estamos hoje aqui, completando um mês que não temos mais o que comentar, apavorados por não sair mais nenhuma rodada de futebol no mundo todo. Tentamos fazer os jogos sair, mas todos deram confusão e não conseguimos chegar até os 90 min.
             O mundo do futebol está um caus e tudo que o futebol construiu, está desmoronando abaixo. Pedimos por isso, esquecemos a verdadeira essência do futebol. Esquecemos o respeito entre todos nós e alegria dos pés.
            Na Inglaterra, só deu confusão, tentaram o pediu paro, mas não era aceito quando pedido e os dois times brigaram. A torcida invadiu o campo e foi uma grande violência para todo lado. No Brasil, colocaram um torcedor de cada lado para tocar a partida, e foi só coração, paixão e vibrações em campo. Dez minutos de jogo, foi o que  tivemos de jogo. A briga começou, quando uma das equipes marcou o gol e o outro anulou o gol, dizendo que estava impedido.
            Como ninguém sabia operar o VAR, o jogo acabou com os dois juízes torcedores, se agarrando no pau, equipes e uma grande batalha se formou em torno do Estádio.
            Acabamos com o futebol, não respeitando os “juízes” de futebol. Agredimos todos eles, com palavras, gestos e pior com socos e pontapés. Por causa de não aceitarmos, suas decisões e marcações em campo.
            Somos azul ou vermelho, mas eles, os árbitros, são os únicos que sabiam fazer essa balança no futebol. Pierluigi Collina já dizia, que se o futebol não é perfeito, então porque nós Árbitros, deveríamos ser?
            Com eles, temos polêmicas, sem os árbitros, pior ainda. O futebol não anda. Jogos não terminam e perdemos a balança do jogo.
            Por favor, árbitros de todo mundo, voltem a apitar, o futebol sem vocês não é nada.
            Já peguei o livro de regras, duas ou três vezes e agora já vi que é complicado. Me perdoe, perdoe o mundo, onde nós, não percebemos o quanto difícil ser um mediador de conflitos. Sempre achei que a essência de um jogo de futebol, eram os craques, mas agora sei, que a essência para que tudo ocorra bem e saber aplicar as regras. Sem arbitragem não existe futebol, compreendemos suas passeatas, objeções e exclamação por respeito. Entendemos que vocês não reclamaram de xingamentos e cobranças, mas sim por causa das agressões. Hoje, através de todos neste canal, peço desculpas por todas as agressões e o mundo aprendeu que todos nós somos imperfeitos. Eu, zagueiro, meia, atacante e o goleiro também erram, por isso venho pedir o seu perdão arbitragem, por nossos erros.
            Voltem apitar, pela paixão, amor e a vibração de todos no mundo. Obrigado por sua atenção!!!



            Entendam como quiserem, principalmente da essência desse texto, porém nunca deixem de cuidar de todos, que fazem deste esporte, o melhor do Planeta.

De: Jhefferson Rodrigues.

          Além disso, não poderíamos deixar de lado essa frase muito conhecida no âmbito esportivo, créditos de Frankliney Carvalho:



11 de Setembro - Dia do Árbitro Esportivo

Como de Praxe e com muito Orgulho, pois amamos o que fazemos, todos os Anos não poderíamos deixar de Falarmos sobre o dia 11 de Setembro – Dia do Árbitro Esportivo.
Árbitros e Árbitras, sem distinções! Profissionais como em qualquer outra Profissão!
Vivemos em uma era onde ainda essa distinção de homem ou mulher impera. Quem é melhor? Quem é Pior? Pessoal, vamos acabar com isso! Estamos em pleno Século XXI!

Conceito: Árbitro (a) é o indivíduo responsável por fazer cumprir as regras, o regulamento e o espírito do jogo ou desporto ao qual estão submetidos e intervir sempre que necessário, quando uma regra é violada ou algo incomum ocorre.
O dia 11 de setembro é consagrado para homenagear a categoria da Arbitragem Esportiva.  O “Dia do Árbitro Esportivo” está regulamentado na Lei Nº 14.485, de 19 de julho de 2007, válida para o calendário de eventos da cidade de São Paulo.
No Brasil, foi Regulamentada a Profissão pela Presidente da Republica, em 10 de outubro de 2013. Embora anteriormente não existisse registro de uma Lei mais abrangente, o fato é que o 11 de setembro acabou se tornando a data oficial do árbitro no Brasil.




 Dessa forma, em nome de todos os colunistas do Blog Além do Apito, realizamos esse post e queremos parabenizar todos os profissionais da Arbitragem Esportiva, do Brasil e de todo o Mundo. Vocês são peças fundamentais no esporte e sem vocês, muitas coisas não existiriam.
Arbitragem é muito mais do que saber leis e regras. Arbitragem é ser um mediador, uma peça chave, ou melhor, alguém que não está ali para apontar e ser apontado, no que está certo ou errado, mas sim para gerenciar a conduta de todos em meio aos espetáculos e, assim que visualizado infrações, penaliza-los por essa. É meio louco, mas esse é o processo!
Conforme mencionamos em 2018 e voltamos a mencionar:
Continuem sempre lutando em prol de seus objetivos e muita coragem para trabalhar. Jamais Baixem a cabeça para Algo. Errar é Humano! Muita paciência para pensar, humildade para aperfeiçoar, sabedoria para interpretar com imparcialidade as regras como um todo e agir, segurança, firmeza e honestidade para aplicar as aplicá-las, ser forte no ato de julgar, servindo com amor e alegria, em respeito ao espírito do jogo, seja qual for a sua modalidade esportiva.

São votos de Sucesso a todos os Árbitros.
Da Equipe do Blog Além do Apito!

Nota de Pesar: Arbitragem Gaúcha e Brasileira de Luto pelo Falecimento do Ex-Árbitro de Futebol e Ex-Presidente do Safergs - Ciro Camargo


            Faleceu no na tarde de Hoje (02/09/2019), no Rio Grande do Sul, o respeitado ex-presidente do SAFERGS - Sindicato dos Árbitros do Estado do Rio Grande do Sul, o Sr Ciro Camargo.
            Como mencionou Salmo Valentim em sua nota através da ANAF, em sua publicação na página Oficial do Facebook, onde façamos delas as nossas palavras “Entre as personalidades mais importantes da linguagem sindical no Brasil, Ciro deixa como legado a força que durante anos norteou a sua postura de homem digno, sério, correto e amigo. Sem dúvidas, uma perda irreparável para a categoria por tudo que ele representa para o futebol nacional”.
            O Ex-árbitro do Safergs, Colunista do Blog Além do Apito e  parceiro de Ciro, lamenta muito pela sua morte, onde relembra “Fizemos vários jogos na Safergs pelo interior do RS!  Meus sentimentos aos Familiares”.
            Nosso colunista Jhefferson Rodrigues, também árbitro de futebol formado pelo Safergs, lamenta muito a perca desse profissional. “Sou de uma geração mais recente e infelizmente não o conheci pessoalmente. Sei do legado que deixou na Instituição e deixará suas marcas na História do Sindicato. Deixo Aqui meus pesares a todos os Familiares e Muita Força nesse momento Triste. Ciro: Muita Luz e fique em paz, na companhia do pai Celestial”.
            Nossa Colunista e Idealizadora do Blog, Liziane da Silva, relembra as vezes que Ciro conversou com a mesma via whatsapp: As vezes que conversamos (umas 4 ou 5), muito atencioso, cordial e  objetivo, nos ideais que defendia no que se refere a arbitragem. Inclusive foi um dos primeiros nomes que acreditaram e auxiliaram a DBAF – Divisão de Base de Árbitros de Futebol com materiais para seu projeto de inclusão Social que Iniciou na Bahia e que vem crescendo a cada dia, quando poucos acreditavam ou torciam que esse desse errado. É uma grande perca para a Arbitragem Nacional, seu nome ficará sempre na História, onde deixou o seu legado! Acredito que temos uma missão aqui na terra e Ciro cumpriu a rigor a dele e está ao lado do Pai celestial. Muita força a Família e Amigos. Que Deus conforte seus corações.

Sem mais...
Equipe do Blog Além do Apito

Resultado de imagem para nota de pesar



Notícia na Mira: AEBA faz Soar o Apito Inicial para o Curso Exclusivo e Gratuito para Arbitragem Feminina em Salvador na noite de 19/08/2019


            Na noite de hoje, 19 de agosto de 2019, se deu o apito inicial ao Curso  Exclusivo e Gratuito para Arbitragem Feminina, em Prol da Formação, Capacitação e Atualização das Regras do Futebol, promovido pela – Associação de Árbitros do Estado da Bahia, conforme divulgamos aqui em nosso Blog no dia 02 de julho a realização deste!
            Não é utopia! É Realidade!
            O Presidente da AEBA – Associação de Árbitros do Estado da Bahia, um dos parceiros do Blog Além do Apito, divulgou, buscou parceiros, espaço e condições para que esse projeto se torne Realidade, no mesmo ano e antes da realização do II Simpósio Nacional de Arbitragem Feminina em novembro na cidade de São Paulo SP (em parceria com a DG Assessoria e Eventos).
            “Não basta falarmos que apoiamos a causa feminina e sim temos que transformar essas palavras em ações. Hoje, eu e minha diretora, Ane Sales e demais membros da diretoria e parceiros dessa instituição, estamos fazendo isso aqui na Bahia. O compromisso é de todos, mas eu, presidente dessa Associação faço minha parte e dou as mãos e trabalho junto com quem estiver conosco concretizando o sonho dessas meninas, garotas, mulheres”, ressaltou com muita propriedade o Francisco Neto.
            Apesar de todas as dificuldades, que existem e não podem deixar de ser citadas, tanto por parte da Instituição em realizar um curso com compromisso e toda estrutura com qualidade e gratuitamente, bem como as participantes, não só a ter tempo, mas ter condições para deslocamento e financeiro para isso temos que Apoiar esses Guerreiros e Guerreiras e bater palmas!
            O curso se terá as aulas ministradas no Auditório da APLB, ao lado do Colégio central da Lapa em Salvador Bahia, nas segundas, quartas e sextas, conforme cronograma já divulgado, se estendendo até o dia 13 de setembro, com carga horária de 80 horas.
            Maiores informações podem ser obtidas através do tel ou whats do Presidente da AEBA através do número 71 99334-7426. Se interessou? Não deixe de contatar!
            AEBA - Associação de Árbitros do Estado da Bahia Lança Curso de Formação, Capacitação e Atualização das Regras do Futebol inteiramente Gratuito e Exclusivo para Mulheres – Disponível em: http://blogalemdoapito.blogspot.com/2019/07/noticia-na-mira-aeba-associacao-de.html

            O Blog Além do Apito ressalta: Às vezes o que é feito parece pouco, mas perto daqueles que não fazem é muito. Não é favor! É Obrigação!
            Nossas mulheres merecem! Parabenizamos a todas!
  
 Abaixo, algumas fotos da Aula Inaugural do Curso. Em breve, maiores informações.









Conheça mais sobre o II Simpósio Nacional de Arbitragem Feminina (Já anunciado aqui em nosso Blog), através do Link https://blogalemdoapito.blogspot.com/2019/05/noticia-na-mira-vem-ai-o-ii-simposio.html

Opinião do Apito: O Árbitro e a Sinalização de Números


Neste mundo que vivemos em evolução em todas as áreas, cada vez mais, temos mais pessoas. A sinalização tem em todas as partes que vamos, até mesmo na entrada de nossa casa, que tem um carpete escrito:
" Seja bem-vindo! Limpe os pés por favor."
No trânsito, temos vários tipos de placas com limites de velocidade, setas e até mesmo o semáforo.
Você sabia que do semáforo, foi tirado a ideia, para ser criado os cartões amarelos e vermelhos, mais isto é conto, para outra postagem.
No futsal e no futebol 7 (sete), trabalhamos muito com sinalizações de números de camisas. Temos sempre que estar informando nosso representante, que fica na mesa, o número do atleta infrator ou do jogador que fez o gol. Nesta coluna, vou falar um pouco de sinalização de números.
A primeira coisa que vocês têm que saber é que trabalhamos com dezenas e unidades.
Exemplo:
D.    U
3.    2

Isso eu sei Jhefferson, o que eu queria saber e como faço o número 32 com mãos?
Vamos lá:
A dezena sempre será o dorso e a unidade a palma da mão.
Então, quando for sinalizar o número 32, primeiro você mostra a parte do dorso, com o número 3, para o representante e depois a palma da mão com o número dois.
Veja o vídeo abaixo:


 Na imagem abaixo, trago a sinalização dos números de um ao vinte.



Como vocês observam na imagem, o número vinte, são os dois punhos fechados e virados para cima.
Quando nós os árbitros, saímos correndo, sinalizando o vinte desta forma, para a torcida, parece até que estamos comemorando o gol. Então, para não dar problemas futuros, deixo a dica de mostrar o número 2 com o dorso da mão.
Espero que nesta pequena coluna, tenha conseguido tirar todas as suas dúvidas porque arbitragem sem dúvidas é muito mais qualificada.

De: Jhefferson Rodrigues

Crônica de uma Mulher sobre o Futebol “Várzea"


“Tenho um namorado que ama a bola. É uma pessoa cheia de virtudes, mas, se há uma constância em seu caráter, esta é a impontualidade. Não consegue chegar na hora, o mundo o atrapalha, a menos é claro no caso do futebol.
Não falo aqui daquele jogo no estádio com hora oficial para começar, refiro-me à várzea,  o futebol amador, àquele bate-bola entre amigos, que no caso aqui de casa acontece todos os finais de semana.
O campo é longe, uma viagem, o sol a pino - não importa. Dia do compromisso logo cedo o moço fica ansioso, não pode atrasar e não há imprevisto que o segure. Nesses dias meu amor é um britânico!
Sábado desses resolvi acompanhá-lo. Os companheiros de partida, esbeltos desportistas, não gostaram nadinha, mas, gentis, fizeram que sim. Na minha cabeça beira de campo não é lugar de mulher, então para compensar o mal-estar, começa o jogo e eu bato muita palma, exagero o entusiasmo, assovio e tanto faço que o dono do campo a quem eu bajulava escancaradamente sentiu-se na obrigação de me dedicar um gol.


Segue o embate com altos e baixos, a coisa aquece e pimba... um golaço, aquele chutão do meio do campo para dentro da rede ala Roberto Carlos. As más-línguas desmerecendo o meu Boy-artilheiro dizem que o momento é histórico e não se repetirá - não acredito, foi jogada de mestre; vi e guardarei na memória.
Continua a partida com bons momentos, outros nem tanto, uma contusão aqui, uma falta ali, um corpo caído no chão. De repente me bate uma estranheza e vou percebendo que acima da bola, das jogadas, do corre para lá e para cá, o que mais se via, na verdade, eram discussões, ofensas, xingamentos e uma roubalheira naquele juiz, de fazer corar um palmito. A coisa chegou a um ponto em que tive a certeza de que terminado aquilo os adversários não voltariam a se falar.
Acaba o jogo. Entre vitórias e desilusões, corre-se para o vestiário e devo dizer que nem na feira fala-se tão alto e ao mesmo tempo quanto num banheiro cheio de homens; eu não estava dentro, mas nem precisava... Fiquei quietinha do lado de fora esperando meu namorado, que, pela delonga, tomava um banho de Cleópatra. Assim, pude observar bem os outros rapazes que sorridentes e limpinhos iam saindo do vestiário qual amigos de infância.
Aqueles mesmos que há pouco se juravam de morte agora pavoneavam-se uns para os outros aos tapinhas nas costas, até mesmo o juiz ladrão. Havia ali motorista de ônibus, um sapateiro, o cara do açougue, um empresário da música, policiais, um jogador aposentado, dois médicos e alguns moços das redondezas empobrecidas cuja competência em campo desequilibrara o jogo - tudo adversário de sangue na hora da bola e amigo do peito na saída para o chope.
Na pelada não há rancores, o que se passa em campo fica no campo. Nem pudores, ali são todos craques - o vírus da imodéstia ataca democraticamente. Uma beleza!
Fui-me embora com um vazio a futucar o espírito. O que nós, mulheres, temos de parecido, o shopping, o salão? Nem chegam perto. Não pode xingar, espernear, soltar os sapos da garganta - além do que, num e noutro, o máximo de exercício que se faz é com a língua na futrica da vida alheia - muito chato.
Não havia como negar, o brinquedo dos rapazes é divertido como só, e meu vazio  era de inveja. Nós, mulheres, não temos nada que se compare.” 
(Ass) Uma nova admirada da Várzea!

De: Alexandre Marques

Opinião do Apito: E agora: Goleiro Expulso e sem Substituição


            Somos feitos de conhecimento, porque sem conhecimento não somos nada. Além de termos muito conhecimento em várias áreas, as vezes acabamos com dúvidas em outras; mas por quê?
            No começo, achei que ler o livro de regras, era o bastante para saber de tudo, mais hoje, sei o quanto é importante participar de palestras e trocar conhecimento. O livro te oferece o conhecimento das regras, mas a mecânica de jogo e as experiências de arbitragem, você aprende com a prática e com a troca de informações. Em palestras de regras de futebol em minha opinião, temos três grandes elementos:
1° Conhecimento;
2° Diversas experiências;
3° E muitas opiniões.

            Quando o palestrante desenvolve seu conhecimento para os alunos, começa a parecer várias experiências de jogo e algumas opiniões adversas sobre o lance. Eu faria assim, eu faria assado e assim, vamos desenvolvendo nosso conhecimento e experiências.
            O modo de aprender a apitar é errando, ou vendo um colega errar. O mundo da arbitragem é assim, aprendemos com nossos erros e dos outros.
            A dúvida é algo que não pode existir em campo, então por obséquio, trago uma situação de jogo que pode acontecer e como devemos agir segundo a regra.

Segue o exemplo:
            A equipe do Matias aos 40 min do segundo tempo teve seu goleiro expulso, por colocar a mão na bola, fora da área e tirando uma oportunidade clara de gol. Sua equipe, já tinha feito todas as substituições. Um jogador de linha terá que ir para o gol, como o árbitro deve agir com a situação perante a regra.
            Primeiramente, temos que saber que não constitui na regra, um modelo certo de agir, como nas modalidades de futsal e futebol sete, mas tem um ponto a ser cuidado na regra 03 (três) "Os jogadores", onde diz:
"As partidas são disputadas por duas equipes composta por no máximo de 11 (onze) jogadores cada, onde um dos quais jogará como goleiro. Nenhum jogo começará nem continuará se uma ou ambas as equipes tiverem menos de 07 (sete) jogadores.

            Diz também que, qualquer jogador pode trocar de posição com o goleiro desde que:
• O Árbitro seja previamente informado da troca;
• A troca seja efetuada durante uma paralisação de jogo;

            E complementa na parte de jogadores e substitutos expulso onde diz:
_" Após o início do jogo não pode ser substituído um atleta expulso."

  
            Pela regra oficial de jogo não temos exigências sobre a camisa que o atleta deve colocar que vai para o gol, mas sabemos que:
• A camisa deve ser diferente dos demais atletas.

            E então, como você deve agir em uma situação desta:
• Espera que o goleiro se retire dos redores do gramado;
• Deixa o atleta que vai para o gol, jogar com uma camisa improvisada e número será o mesmo que ele estava usando anteriormente. (Pode pegar até a do goleiro que saiu).
• Mas mantém o número original do atleta que substitui o goleiro, pois o que conta é o que constitui desde o início da partida em súmula.

            Eu espero que tenha conseguido tirar todas as suas dúvidas sobre a questão acima, mas lembre-se também de sempre ler, o regulamento da competição, pois às vezes pode haver complemento sobre esta questão.

            Para finalizar, agradeço ao Professor Júlio Ayres ( EUA) e Alfredo Neto (SP) pela ajuda. Deixo como complemento um vídeo abaixo, sobre expulsão de goleiros e atletas indo para o gol.



De: Jhefferson Rodrigues.

Links Recomendados